.

.

1 de nov de 2011

Melancolias encostadas.


Foi uma fase difícil, admito! Na saída da escola, corria para casa e depois para o chuveiro para ninguém perceber a saudade que ali sentia; era o único lugar que encontrava para demonstrar tamanha necessidade da sua presença. A tua ausência nunca foi curada, sempre encontro um vazio ainda não preenchido, um novo jeito de ver que não estou completa. 
Dali por diante seriam apenas lembranças, parecia surreal o que presenciava, todos os sonhos e as fotos guardadas parecia um sonho de dor que não cessava. Já estive pior, mas, hoje ando pelo lado de dentro da calçada, como você sempre me ensinou a fazer, lembra?
"Se cuida" foi a frase dita antes de partir, os detalhes rodeiam minha mente vazia durante a madrugada árdua longe de cada motivo que já me fez sorrir. Um prazo determinado para o fim, não pude acreditar que tive de ver você partindo novamente, com prazo inderteminado para volta.
Nunca consegui ver um futuro muito além daqueles planos que eram construidos em toda tarde de segunda-feira. Porque os mesmos pareciam tão reais e foram despedaçados, como cinzas de um incêndio. Talvez, o problema é não conseguir ver uma felicidade junto de outro alguém.
Ainda busco você em outros corpos, tento completar tudo que me falta. Completar a tua falta... Já que me restaram apenas memórias, as minhas memórias, as suas memórias... Guardadas apenas em um unico lugar, onde não tem comprovação de nada, onde ninguém há de ler ou ver, no unico lugar que ainda te espera... Meu coração.

- Bruna Carmona

Nenhum comentário:

Postar um comentário