Pular para o conteúdo principal

Poesia - Carlos Drummond de Andrade

 
 
 Gastei uma hora pensando um verso
que a pena não quer escrever.
No entanto ele está cá dentro
inquieto, vivo.
Ele está cá dentro
e não quer sair.
Mas a poesia desse momento
inunda minha vida inteira.

Comentários

  1. Esse é o fragmento da poesia de Drummond lido pela Tereza em Tudo o que é Sólido Pode derreter, não é? Muito legal o seu blog.

    ResponderExcluir
  2. Isso mesmo, você assiste? *----------*
    eu sou apaixonada pela série..

    ResponderExcluir
  3. Curto muito a série. Infelizmente ela não tem tanta repercussão no meu Estado. Mas, enfim, tô aguardando aí a 2ª temporada e também não vejo a hora de ler o livro.

    ResponderExcluir
  4. Sim eu também adoro *-* Eu quero o livro de aniversário... o Dvd também da primeira temporada e espero MUITO pela segunda *-*

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Direta.

Começo dizendo que tentei, de primeira, de ultima, uma, duas, três vezes... Você por algum motivo fingiu não ver o quanto protegi toda sua historia e a valorizei contando partes do passado enquanto a gente jogava conversa fora. Me declarei, li, fingi que não li, fingi entender e entendi. E dessa vez, os lados mudaram, não é que tu não seja feito pra mim, a real é que não nasci pra você. Sua forma fria de ser, congelada todo amor que tenho em mim.  Não vou me prolongar, vilão mesmo é meu pensamento criando toda aquela historia que você nunca deixou contar....
- Bruna Carmona

Querido Diário...

(...) por ter conseguido uma noite arrasadora, lá pelas quatro da manhã consegui pegar no sono, desliguei meu mp3 e realmente consegui dormir, já não tinha mais forças nem ao mesmo para chorar de tanto desgaste comigo mesma.
Ao amanhecer acordei aliviada, devia ter sido por tanto chorar a noite passada, tentei me distrair com qualquer musica eletrônica fingindo estar bem, fingindo me enganar com "outra vibe".  Só agora entendi o quanto ando danificada, ando fissurada para tentar esquecer o quanto me senti usada por teu ego, esse maldito ego. O quanto tento camuflar que ainda sofro por um rapaz que não existe, que vive em silencio (...)